Ripley é uma história verdadeira? Tom Ripley existiu na vida real? Conheça a inspiração da série da Netflix

Publicidadespot_img

Andrew Scott assume o papel titular em Ripley, da Netflix, trazendo para a tela o perigoso Tom Ripley, cuja história dá uma reviravolta dramática após a outra. Ele é procurado por um homem rico chamado Herbert Greenleaf, que acredita que Ripley é um dos amigos de seu filho, Dickie.

Ele quer que Ripley vá para a Itália e convença Dickie a voltar para casa. Tendo a oportunidade de deixar sua vida miserável em Nova York, Ripley aceita a oferta, mas assim que chega à Itália e conhece Dickie, fica obcecado em ter a mesma vida.

O desejo de Ripley o leva por um caminho sombrio, causando derramamento de sangue e muita dor de cabeça para quem cruza seu caminho. Suas ações são inacreditáveis, mas fascinantes, o suficiente para fazer pensar sobre seus colegas da vida real. Quem inventou um personagem tão distorcido e o que os inspirou a fazer isso?

Tom Ripley resultou da própria vida e personalidade da autora

Ripley traz às telas o romance aclamado pela crítica de Patricia Highsmith, O Talentoso Ripley. A história é inteiramente fictícia, com todos os personagens e as circunstâncias que cercam suas vidas e mortes sendo inventadas pela autora. Clássicos como If I Were You de Julian Green e The Ambassadors de Henry James (que também é referenciado no romance de Highsmith) são considerados as inspirações literárias por trás de Ripley.

Não há nenhuma conexão direta que se possa formar entre o protagonista de Highsmith e um vigarista da vida real. No entanto, há certas coisas de sua própria personalidade, eventos aqui e ali de sua vida e algumas coisas aleatórias que ela gravou para criar o fascinante Tom Ripley.

Publicado originalmente em novembro de 1955, diz-se que a premissa do romance foi informada por uma notícia que Highsmith mencionou uma vez que leu no Herald Tribune. Era sobre um homem que foi preso em seu próprio funeral após ter sido dado como morto quando seu corpo carbonizado foi descoberto pela polícia.

Parecia algo interessante de incluir na história, mas o enredo principal girava em torno de Ripley e seu fascínio por Dickie Greenleaf, com o primeiro ficando obcecado ao ponto do ciúme e, eventualmente, do assassinato.

Mais uma vez, não há reivindicações diretas sobre isso, mas alguns observam que o relacionamento entre os homens pode ter resultado do relacionamento de Highsmith com Kathryn Hamill Cohen, uma mulher casada com quem a autora teve um caso. Elas já se conheciam há algum tempo antes de Highsmith, em sua viagem pela Europa, convidar Kathryn para se juntar a ela na Itália.

Elas passaram três semanas juntos no país, mudando-se de Roma para Positano, Palermo e Capri. Elas estavam envolvidas uma com a outra, algo que mantinham em segredo não apenas porque Kathryn era casada, mas também porque a homossexualidade não era tão aceitável para a sociedade da época.

Quando a jornada chegou ao fim, as mulheres se separaram e nunca mais falaram sobre o caso. Kathryn voltou para sua vida de casada. No entanto, para Highsmith, o relacionamento ainda permanecia em sua mente. Alguns anos depois, ela retornou a Positano, que serviu como a fictícia Mongibello (trocada por Atrani na série da Netflix) na primeira parcela dos romances de Ripley. Foi em sua segunda visita que Highsmith teria observado algo que subconscientemente grudou nela e acabou servindo como semente para o personagem de Ripley.

Ela revelou que um dia, da varanda de seu hotel em Positano, notou “um jovem solitário de shorts e sandálias com uma toalha jogada no ombro”. A autora notou que ele tinha um ar que a fez notá-lo e se perguntar por que ele estava sozinho e o que estava acontecendo com ele. Ela nunca mais cruzou o caminho do homem nem o viu novamente, mas essa imagem de apenas mais um homem americano permaneceu em sua mente e, meses depois, ela teve a premissa de O Talentoso Ripley.

Embora a imagem do homem estranho na praia possa ter sido o lampejo, a verdadeira essência de Ripley foi extraída dos próprios pensamentos e fantasias assassinas de Highsmith, algo que ela só poderia executar na ficção. (A autora revelou certa vez ter tido o desejo de matar seus amantes, chamando o assassinato de “uma espécie de fazer amor” e descrevendo o amor como um “tiro na cara”.) A autora também confessou ter se relacionado mais com o personagem Ripley do que qualquer outro de seus protagonistas fictícios.

Ela refletia nele sua própria estranheza social e seu desejo de desaparecer em outra coisa. O público também pode conectar o confuso senso de sexualidade de Ripley à autora, que passou algum tempo com psiquiatras tentando se consertar, como muitos outros membros da comunidade LGBT+ da época. Eventualmente, porém, ela passou a aceitar e florescer em sua sexualidade.

A conexão que Highsmith sentia com Ripley era tão forte que, a certa altura, ela se autodenominava “Tom” ou “Ripley”. Considerando tudo isso, pode-se dizer que Patricia Highsmith imbuiu um pouco de sua essência em Tom Ripley, por isso, talvez, ele pareça tão real para o público, mesmo sendo um personagem completamente fictício.

LEIA TAMBÉM:

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: