O Assassino | Por que Claybourne foi poupado? Entenda o final do filme da Netflix

Publicidade

O filme de suspense da Netflix, O Assassino, termina com uma decisão altamente ambígua que o assassino titular toma em relação ao destino de Claybourne, o bilionário gestor de fundos de hedge que ordena um golpe na namorada do primeiro. 

Claybourne financia o ataque depois que o assassino não cumpre a missão que atribui a este último por meio de Edward Hodges, o treinador do assassino. Para se vingar, o assassino rastreia o Brute e o Expert, os dois assassinos que machucaram sua namorada e os mata.

O assassino então se move para seu próximo alvo, Claybourne, e entra em sua casa bem guardada para se vingar por quase matar sua namorada Magdala. Ele tem demonstrado repetidamente que não passa de um assassino de sangue frio e sem qualquer senso de empatia, o que lhe permite matar várias pessoas que cruzaram seu caminho, desde o taxista até os dois assassinos que machucaram seu parceiro. 

Mas, após uma conversa com Claybourne, o assassino sai de sua casa, poupando a vida deste, apenas com um aviso. Poderia haver duas teorias sobre por que ele decidiu não matar o homem que começou tudo.

Teoria 1: Claybourne é irrelevante

Embora Claybourne financie o golpe contra Magdala, ele quase não está envolvido no mesmo. Quando o assassino erra o alvo, o empresário tenta descobrir como lidar com a situação, apenas para ser aconselhado a remover seus rastros. Hodges decide eliminar a namorada do assassino, o elo mais fraco entre eles, para garantir a segurança de seu cliente. 

Como alguém que não tem ideia de como funciona o mundo do crime, Claybourne concorda com a proposta de Hodges sem qualquer intenção maliciosa contra Magdala. No que diz respeito a Claybourne, ele teria concordado com qualquer coisa que Hodges apresentasse à sua frente como o passo ideal à frente. O assassino fica sabendo da ignorância de Claybourne após uma rápida conversa com ele após entrar na casa do empresário para matá-lo. 

Mesmo depois de ver um estranho armado dentro de sua casa bem protegida, Claybourne não relaciona o primeiro ao golpe que ordena contra Magdala, o que deixa evidente seu desconhecimento sobre o que aconteceu com esta. O empresário nem sabe que o companheiro do assassino seria ferido, pois paga para “limpar o rastro” sem entender ou saber o que isso significa. Tudo o que lhe disseram é que haverá uma “limpeza no corredor três”.

O assassino logo se convence de que Claybourne não é o responsável direto pelo que aconteceu com Magdala. Ele percebe a ignorância do empresário ao se perguntar por que este nem sequer o identificou. “Eu invadi sua casa no meio da noite com uma pistola com silenciador e você não tem ideia de por que estou aqui?” o assassino pergunta ao empresário quando ele finalmente percebe a irrelevância deste último. 

Como Claybourn não sabe como Hodges lidou com a situação após o erro do assassino, ele não espera que este o localize e aponte uma arma para ele. No seu entendimento, ele não fez nada ofensivo para que a pessoa que contratou se apresentasse perante ele, o que não acontece com os demais envolvidos na situação. Seja Hodges ou os dois assassinos, eles identificam o assassino logo após este aparecer diante deles. 

Eles sabem que fizeram algo para o assassino retaliar, o que deixa claro por que o reconhecem antes mesmo de uma palavra ser trocada entre eles. No caso de Claybourne, o único crime que ele comete mentalmente é a tarefa que dá ao assassino. Quando Hodges promete resolver as questões relativas ao mesmo, ele acredita nas palavras do advogado e segue em frente, pois não fez mais nada para esperar que um assassino aparecesse em sua casa. 

Quando o assassino percebe quem realmente é o responsável pelo que seu parceiro sofreu, ele opta por poupar Claybourne. Dito isto, a irrelevância de Claybourne não pode ser a única razão pela qual o assassino poupa o empresário. Se for esse o caso, o assassino não deveria ter assassinado o taxista, que desconhece os planos dos dois assassinos de quase matar alguém, ou Dolores, que apenas trabalhava para o advogado. 

O assassino não é uma pessoa empática que diferencia o certo do errado e leva uma vida virtuosa. Se ele fosse atencioso, teria deixado pelo menos o taxista viver, principalmente considerando que ele não é ninguém para surgir como uma ameaça. Então, por que apenas Claybourne é perdoado?

Teoria 2: Aposentadoria no Horizonte

O assassino poupa Claybourne provavelmente porque ele é um empresário incrivelmente rico e influente. Ao contrário do taxista ou de Dolores, o assassinato do bilionário abriria caminho para uma grande investigação sobre a morte, o que causaria problemas adicionais para o assassino. O assassino conhece Claybourne depois de decidir se aposentar como assassino. 

Ele deve ter se convencido de que precisa de uma vida tranquila com sua namorada Magdala, o que aparentemente o faz encerrar sua carreira de assassino a sangue frio. Quando ela quase morre, o assassino deve ter entendido que não pode mais continuar fazendo seu trabalho.

O relacionamento com Magdala passa a ser uma prioridade para o assassino, por isso ele corre até ela depois que uma missão dá errado, mesmo quando se espera que ele inicie um novo capítulo de sua vida usando uma identidade diferente. Ele quer voltar para ela depois de completar sua onda de assassinatos vingativos e matar Claybourne pode comprometer seu desejo. 

Se ele matar o empresário, poderá ser obrigado a fugir, o que o distanciará da companheira e da tranquilidade que deseja vivenciar com ela. Como não tem nada a ganhar matando Claybourne, que nem sequer é totalmente responsável pela experiência de quase morte de Magdala, o assassino prefere a aposentadoria ao assassinato do empresário.

Ao rastrear Claybourne, o assassino observa que é mais fácil rastrear ou encontrar pessoas ricas, obviamente por causa de sua fama e exposição. Pelos mesmos fatores, o assassinato de Claybourne causará rebuliço por um longo período, o que afetará os planos do assassino para o futuro. 

Ele é capaz de matar com segurança os dois assassinos, o motorista de táxi, Dolores e Hodges, porque sabe que suas mortes/assassinatos cairão no esquecimento mais cedo ou mais tarde, o que não será o caso do assassinato de Claybourne. Sendo assim, o assassino deixa o empresário viver e parte para a República Dominicana para curtir a aposentadoria com a companheira.

Leia também: Crítica | O Assassino – Novo filme de David Fincher é um desperdício em vários sentidos


Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News

Quer receber notícias direto no seu celular? Entre para o nosso canal no WhatsApp ou no Telegram.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: