Como a estrela de Sound Of Freedom, Jim Caviezel, se tornou um pária de Hollywood

Publicidade

No início dos anos 2000, Jim Caviezel estava à beira do estrelato em Hollywood, já que a capacidade de dizer a verdade, o charme tranquilo e a despretensão absoluta de Caviezel deram a ele uma presença de tela surpreendentemente eficaz nos filmes Olhar de Anjo, O Conde de Monte Cristo e Alta Frequência.

Claro, Caviezel ganhou fama mundial com sua atuação titular no filme de drama bíblico dirigido por Mel Gibson em 2004, A Paixão de Cristo, que foi um grande sucesso comercial, mas dividiu drasticamente o público e a crítica, principalmente em linhas políticas e religiosas, como o filme foi criticado por ser excessivamente violento e conter representações anti-semitas percebidas.

Apesar do fato de que A Paixão de Cristo arrecadou mais de 600 milhões de dólares nas bilheterias mundiais, a forte identificação de Caviezel com o filme, e especialmente o papel de Jesus Cristo, junto com a estrita adesão dele à sua fé católica, aparentemente tornou Caviezel indesejável em Hollywood.

Caviezel está passando pelo mesmo tipo de dicotomia com seu último filme, o filme de ação sobre tráfico de crianças, lançado de forma independente, Sound of Freedom, que se tornou o surpreendente sucesso de bilheteria de 2023, mas também foi rotulado como controverso e divisivo devido ao conotações políticas e religiosas.

A Paixão de Jim Caviezel

As crenças pessoais de Jim Caviezel impactaram sua carreira antes mesmo de ele ser escalado para A Paixão de Cristo, já que Caviezel já havia se recusado a realizar cenas sexuais explícitas na tela com co-estrelas femininas, especificamente com Jennifer Lopez em Olhar de Anjo e Ashley Judd em Crimes de Primeiro Grau, de acordo com o profundo compromisso de Caviezel com seus votos conjugais.

No entanto, a atuação em A Paixão de Cristo mudou irrevogavelmente a trajetória de sua carreira. De fato, Caviezel disse que o diretor do filme, Mel Gibson, depois de oferecer o papel titular do filme, tentou dissuadi-lo de aceitar o papel, já que Gibson alertou sobre a potencial discriminação e classificação que Caviezel poderia encontrar na sequência do lançamento do filme. Sobre o impacto que A Paixão de Cristo teve na carreira e na vida de Caviezel, ele disse:

“Eu fiz uma escolha. O que você descobre é que algumas escolhas são vistas como más, e eu não vejo dessa forma. Se houvesse uma comédia por aí, eu faria, mas depois de interpretar Jesus, você não recebe mais ofertas como essa. Assim que fiz Paixão , outras ofertas de filmes pararam de chegar.”

Após o lançamento desse drama, Caviezel estrelou como jogador de golfe profissional Bobby Jones no filme biográfico de drama lançado de forma independente Bobby Jones: Stroke of Genius e então apareceu, no papel de um terrorista, ao lado de Denzel Washington no filme de suspense de ação e ficção científica Déjà vu.

Além disso, como muitos dos papéis no cinema que recebeu após A Paixão de Cristo tinham Caviezel interpretando personagens acinzentados em vários filmes de ação e suspense, a persona do astro na tela tornou-se cada vez mais moralmente ambígua e às vezes vilã, como evidenciado pela atuação de sangue frio ao lado de Arnold Schwarzenegger e Sylvester Stallone no filme de suspense de ação de 2013 Plano de Fuga, no qual interpreta um sádico carcereiro.

Jim Caviezel e Hollywood: uma separação mútua

Enquanto A Paixão de Cristo causou estragos na carreira cinematográfica de Jim, posteriormente obteve sucesso na televisão como a estrela da série dramática da CBS Person of Interest, que foi ao ar em 2011 e 2016 e apresentava o ator como John Reese, um ex-agente da CIA e soldado das Forças Especiais que é abordado para se juntar a uma equipe de vigilantes controlada por computador que visa monitorar e prever atividades terroristas.

No entanto, embora tenha recebido excelentes críticas por seu trabalho na série, o cancelamento de Person of Interest em 2016, após cinco temporadas, anunciou a pausa de Caviezel em Hollywood, já que nunca mais atuou na televisão após o cancelamento do programa, o filme subsequente de Caviezel as aparições foram em produções decididamente não hollywoodianas, a maioria das quais tem uma conexão com as suas visões políticas e religiosas.

Antes de Sound of Freedom, que foi filmado em 2018, Caviezel interpretou São Lucas no filme de drama bíblico de 2018 Paulo, Apóstolo de Cristo e depois estrelou o filme de suspense político de 2020 Infidel como Doug Rawlins, um blogueiro e jornalista cristão americano franco que, enquanto visitava o Cairo, no Egito, como parte de uma turnê de discursos, é sequestrado por membros do regime iraniano e levado a julgamento por uma falsa acusação de espionagem.

Infidel foi produzido pelo proeminente autor e comentarista conservador Dinesh D’Sousa, e Caviezel, nos últimos anos, tornou-se cada vez mais ligado à política conservadora e ligado ao controverso movimento político QAnon, que expressou total apoio ao Sound of Freedom

Som da Liberdade

Em Sound of Freedom, Jim Caviezel interpreta Tim Ballard, um ativista anti-tráfico de pessoas da vida real e um ex-agente do governo, que embarca em uma perigosa missão para resgatar crianças sequestradas de traficantes sexuais na Colômbia.

Como a reação a Sound of Freedom foi tão profundamente politizada, devido não apenas ao conteúdo do filme, mas também aos supostos laços QAnon de Caviezel e Ballard, a qualidade do filme em si quase se tornou um ponto discutível, como expressões de antipatia e apoio ao filme tornaram-se o equivalente a usar um distintivo de coragem moral e política.

Dado que Sound of Freedom poderia normalmente ter sido descartado como um filme de ação bastante rotineiro, essa controvérsia foi uma bênção, por assim dizer, para o filme, que atualmente arrecadou mais de 140 milhões nas bilheterias domésticas contra um custo de produção de menos de US$ 15 milhões.

No entanto, para Caviezel, o único efeito que o sucesso do filme teve em sua carreira é aparentemente consolidar ainda mais seu status de forasteiro de Hollywood. De fato, como Sound of Freedom continua a destruir as expectativas e normas comerciais, Caviezel parece agora estar tão distante de Hollywood, figurativamente falando, como sempre esteve.

Sobre Sound of Freedom

Considerado pelos críticos “o filme mais polêmico do ano”, o thriller Sound Of Freedom, protagonizado por Jim Caviezel (conhecido por A Paixão de Cristo), ultrapassou a notável marca de US$ 100 milhões nas bilheterias dos Estados Unidos, após apenas 16 dias de exibição. Com tamanha comoção do público e inúmeras controversias em torno de seu protagonista, será que o longa cristão irá vir para o Brasil?

Segundo o THR, essa data pode estar sendo revelada aos poucos e, na América Latina, deve desembarcar dia 31 de agosto nos cinemas.

“O filme estreia em 18 de agosto na África do Sul, seguido pela Austrália e Nova Zelândia em 24 de agosto. Ele é lançado na América Latina em 31 de agosto, incluindo México, Argentina, Chile, Guatemala, Honduras, El Salvador, Nicarágua, Belize, Panamá, Colômbia e Venezuela. Sai em 1º de setembro no Reino Unido/Irlanda e em 11 de outubro na Espanha.”

Apesar da novidade animadora, ainda não está claro se o filme virá para o Brasil nessa data e nem qual distribuidora ficará responsável por seu lançamento por aqui. Novidades devem sair muito em breve.

Confira o trailer:

Alejandro Monteverde é responsável pela direção. O elenco ainda conta com Mira SorvinoBill CampEduardo VerásteguiJavier GodinoJosé Zúñiga e Kurt Fuller.

Polêmicas

Para compreendermos melhor a controvérsia em torno de Sound of Freedom, precisamos conhecer Tim Ballard, a pessoa real na qual o filme se baseia. Ballard, embora não seja muito conhecido no Brasil, é um ex-funcionário do governo americano e fundador da Operation Underground Railroad (O.U.R.), uma organização sem fins lucrativos sediada nos Estados Unidos que luta contra o tráfico sexual. Ballard atribui à sua organização o resgate de milhares de vítimas de tráfico humano – alegação essa contestada pela mídia, que acusa a falta de transparência e exagero nas histórias relatadas por ele.

Assim sendo, uma das primeiras questões debatidas sobre Sound of Freedom começa com a afirmação feita pelo próprio filme de ser baseado em fatos reais. Alguns críticos argumentam que não há documentos comprovando a veracidade dos eventos retratados, acrescentando que Ballard é conhecido por defender teorias da conspiração infundadas, como a existência de uma elite financeira global que sequestra crianças para beber seu sangue com o objetivo de rejuvenescer.

Por outro lado, os defensores de Ballard afirmam que os ataques ao filme são coordenados por essa suposta elite, com o propósito de esconder verdades que preferem manter ocultas. Acusações de censura e críticas infundadas ao filme são as mais frequentes.

Sucesso de bilheteria

Fenômeno! O thriller Sound Of Freedom, protagonizado por Jim Caviezel (conhecido por A Paixão de Cristo), ultrapassou a notável marca de US$ 100 milhões nas bilheterias dos Estados Unidos, após apenas 16 dias de exibição.

Esta produção independente teve uma estreia sólida, arrecadando US$ 14.2 milhões em território norte-americano durante o competitivo fim de semana prolongado do Dia da Independência. Desde a estreia, o filme tem continuamente ganhado proeminência, demonstrando um aumento de 38% na receita no fim de semana mais recente, atingindo US$ 27.2 milhões.

Este é um resultado notável, considerando o desempenho decepcionante das bilheterias americanas durante este verão, que tem visto uma rejeição do público em relação aos grandes blockbusters e franquias. Tal tendência resultou em desapontamentos nas bilheterias, como aconteceu com The Flash e Indiana Jones e o Chamado do Destino.

Leia também:


Já conhece nosso canal do YouTube? Lá tem vídeo quase todo dia. Se inscreve! Dá uma olhada no nosso vídeo mais recente:

Aproveite para nos acompanhar nas redes sociais: Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e também no Google News.

Última Notícia

Mais recentes

Publicidade

Você também pode gostar: