Primeiras Impressões | Demolidor – 3ª Temporada

[et_pb_section bb_built=”1″][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text]

Depois do retorno de Luke Cage, Jessica Jones e Punho de Ferro para sua segunda temporada, e da recepção morna que Os Defensores teve, Matt Murdock volta com a terceira temporada de Demolidor, mostrando mais uma vez porque é a série carro-chefe dos heróis urbanos da Marvel. Diferentemente da segunda temporada, que contou com alguns deslizes narrativos – sendo o principal deles a divisão em duas partes tanto na história quanto nos vilões -, este terceiro ano tem um foco estabelecido e parece ter uma estrutura melhor pensada. 

A trama se inicia logo após os últimos eventos de Os Defensores, com Matt Murdock ainda ferido depois da batalha com O Tentáculo. O vigilante é recolhido pela freira Maggie, que cuidou dele durante toda sua infância e adolescência, e precisa passar por um processo de recuperação para voltar a assumir o manto de Demolidor. Logo nos primeiros capítulos, é possível perceber que Matt está sofrendo consequências da batalha: surdo de um ouvido, sem uniforme e totalmente fora de forma física para os combates.

O fator mais interessante logo de cara está na atenção dada à religiosidade do protagonista. Nos quadrinhos, isso sempre foi um aspecto fundamental do personagem, especialmente depois da fase de Frank Miller no comando do roteiro. Matt, depois de tudo o que passou, resolve se revoltar com Deus, e essa ira é algo bastante explorada nos episódios iniciais – ainda que seja jogado de canto com o passar do tempo. 

O Rei do Crime também está de volta depois de conseguir um acordo com o FBI e definitivamente é um refresco para a dinâmica de personagens. A ausência do vilão foi uma das grandes perdas durante a segunda temporada, principalmente pela falta de profundidade no antagonismo apresentado pelos outros personagens – o segundo ano, inclusive, não tinha algum vilão definido, variando entre o anti-herói Justiceiro e Elektra, que tinha uma química interessante com o protagonista. 

Outro fator da segunda temporada que ficou de canto foi a divisão da temporada. No segundo ano, os seis primeiros episódios contavam uma história fechada e separada dos outros sete, diferentemente da primeira temporada. Neste terceiro ano, a série volta às origens e foca na construção de um mesmo arco ao longo de todos os episódios. A decisão é uma influência direta da troca de showrunners: Douglas Petrie Marco Ramirez saíram para a entrada de Erik Oleson, conhecido por Arrow The Man In The High Castle. 

O retorno de Wilson Fisk, ainda que funcionando mais sutilmente, serve como impacto direto em Matt Murdock – principalmente como motivação – e também cria um dinamismo bem-vindo na narrativa, fazendo com que o Demolidor tenha que sujar as mãos para tentar colocar o vilão de volta atrás das grades. Além disso, há uma relação de mentor por parte do Rei do Crime com Benjamin Poindexter, o grande antagonista da temporada, e é algo muito intrigante de se ver. 

Inclusive a adição de Poindexter (vulgo Mercenário, maior vilão do Demolidor nos quadrinhos) é o fator mais interessante neste terceiro ano. O antagonista tem profundidade, com uma origem bem contada e uma certa empatia que pode ser criada com o telespectador. Além disso, as cenas de ação que tem com Matt (nestes primeiros episódios disponibilizados, houve apenas uma) são incríveis e remetem muito às HQ’s, especialmente porque a produção se aproveita das habilidades que o Mercenário tem e as utilizam bem em cena. 

O terceiro ano de Demolidor demora a engrenar, mas já promete muito para os próximos episódios. A dinâmica entre Rei do Crime e Mercenário, além das cenas de luta entre Matt e Poindexter, são os pontos altos deste início. Ver Murdock como um renegado, tendo que atuar sem uniforme e de certa forma prejudicado pela batalha de Os Defensores, também é uma das melhores coisas nesses primeiros episódios. Resta a expectativa para saber se a terceira temporada vai manter o bom nível e esperar para saber como essas dinâmicas de personagem vão se desenvolver. 

[assistimos aos primeiros seis episódios da terceira temporada, disponibilizados pela Netflix]

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Spread the love

Comments

comments

Share This