Filmes Honconguês serão exibidos entre junho e julho no CCBB SP

[et_pb_section bb_built=”1″][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text]

O cinema de Hong Kong que fascinou o ocidente pela sua pluralidade e liberdade e por ter lançado grandes astros, como Bruce Lee, Jackie Chan e Chow Yun-Fat, ganhará a mostra inédita CIDADE EM CHAMAS: O CINEMA DE HONG KONG, que entra em cartaz no dia 20 de junho, no CCBB SP. Ainda quando era uma colônia britânica, Hong Kong foi o principal centro de produção de cinema asiático, formando uma indústria forte que dominava as bilheterias em todo o sudeste do continente.

Ao todo, a mostra exibirá 23 longas-metragens, desde o auge do sucesso da produtora Shaw Brothers, nos anos 60/70, passando pelo cinema novo do começo dos anos 80, até 1997, quando a colônia foi devolvida à China.

Com curadoria de Filipe Furtado, a mostra revelará ao público brasileiro uma parte importante da história do cinema que é pouco conhecida. Como, por exemplo, os trabalhos dos atores Bruce Lee e Jackie Chan e diretores como John Woo e Tsui Hark, que já eram estrelas na China antes se consagrarem no Ocidente.

 

[/et_pb_text][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

– A mostra apresenta filmes nos mais diversos gêneros e registros (artes marciais, comédias rasgadas, musicais melodramáticos, filmes policiais, de horror e fantasia), sucessos de crítica e também populares, tentando abarcar quando possível tanto os principais diretores (King Hu, Chang, Cheh, Patrick Tam, Tsui Hark, John Woo), como as principais estrelas (Grace Chang, Ti Lung, Bruce Lee, Jackie Chan, SammoHung, Chow Yun Fat, Leslie Cheung) do período – comenta o curador.

Entre os destaques, estão os “NÔMADE” (1982), de Patrick Tam, um dos pontos altos do Cinema Novo de Hong Kong e grande influência sobre Wong Kar-Wai, “SONHOS DA ÓPERA DE PEQUIM” (1986), de Tsui Hark, sobre um grupo de revolucionários na China de 1913 à beira de uma guerra civil, e “O ARCO” (1969), de Cecile Tang, um dos primeiros filmes orientais dirigido por uma mulher, que lida com a falta de opções femininas e estratificação social. “Teremos também muitos clássicos do cinema de ação – ‘O GRANDE MESTRE BEBERRÃO’ (1966), de King Hu, ‘GOLDEN SWALLOW’ (1968), de Chang Cheh, referências fortes para “O Tigre e o Dragão”, de Ang Lee; e ‘HO,O SUJO’ (1979), de Lau Kar Leung, que influenciou Quentin Tarantino em Kill Bill”.

A programação inclui alguns filmes com entrada franca (as senhas serão distribuídas a partir de 1 hora antes do início da sessão), entre eles Projeto China (1983), de Jackie Chan, que terá uma sessão inclusiva com audiodescrição e tradução para a linguagem de LIBRAS.

 

[/et_pb_text][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

Atividades Extras

Para o público se aprofundar nesta fascinante filmografia, a mostra promoverá duas atividades extras, com entrada franca, e lançará um catálogo que poderá ser trocado por cinco ingressos de filmes assistidos durante o evento. No dia 5 de julho (quinta), às 19h, será realizado um debate, com tradução para linguagem de LIBRAS, com o curador da mostra Filipe Furtado, o crítico de cinema Ruy Gardnier, e mediação do produtor da mostra Júlio Bezerra. E, nos dias 25, 28 e 29 de junho, das 14h às 15h30, será oferecido curso “O cinema de Hong Kong”, com Filipe Furtado. As inscrições para o curso devem ser feitas através do e-mail hongkongccbb@gmail.com

O Cinema de Hong Kong

Durante um logo período, entre a década de 50 do século passado e o fim dos anos 90, Hong Kong produzia filmes de ação, musicais, melodramas e comédias, sem grandes preocupações com bom gosto e preferência pelo excesso. A indústria cinematográfica local criou, aos poucos, um forte star system incluindo nomes que viriam a se tornar populares no ocidente como Bruce Lee, Jackie Chan e Chow Yun-Fat, e deu oportunidade a cineastas criativos como King Hu, Chang Cheh, John Woo, Tsui Hark e Wong Kar-wai.

O que começou como uma opção de fuga para alguns realizadores e produtores chineses no pós-guerra, logo se tornou um grande e efervescente centro de produção (no seu auge a cidade chegou a produzir 200 longas-metragens por ano). A regra em Hong Kong sempre foi clara: filme rápido e dentro do orçamento e tudo será liberado. Não haverá limites de conteúdo, nem das leis da física. Os filmes eram vendidos antes de serem filmados ou por vezes sequer escritos só com base num título e nas estrelas locais escaladas, o que garantia que mesmo os fracassos jamais dessem prejuízos.

[/et_pb_text][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

A despeito de ocasionais surtos de interesse (sobretudo a onda dos filmes de kung fu após o sucesso de Bruce Lee nos anos 70) é a partir de meados da década de 80 que cinéfilos e críticos ocidentais descobrem a produção local. O que começou como um culto abastecido pela venda de filmes piratas nos bairros chineses das grandes cidades foi aos poucos ganhando respeitabilidade até que o cinema americano veio bater à porta e importar o talento local. Um cinema que fascinou os ocidentais justamente pela sua pluralidade e liberdade, sua recusa às regras e ao bom tom.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Spread the love
Share This