Paris 8 | Clipe inédito foca no cinema italiano

[et_pb_section bb_built=”1″][et_pb_row][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text]

O cinema como o principal protagonista é o que mostra clipe inédito do filme Paris 8, de Jean Paul Cuverac, que estreia nas telonas dia 17 de maio pela Cineart Filmes. O filme retrata um grupo de estudantes de cinema que compartilha paixão pela sétima arte.

A cena apresenta uma das aulas sobre o cinema italiano que os jovens estudantes estão participando. Ao longo do filme, é possível perceber como o cinema deixa de ser apenas um tema e passa a se transformar numa personagem.

Confira:

– O roteiro se baseou em várias origens que, de repente, se cristalizaram. Em primeiro lugar, experiência pessoal: tendo estudado em La Fémis, dirigido o departamento de direção de lá e ensinando agora na Universidade Paris 8, passei trinta anos em contato constante com estudantes de cinema. Então, esse é um assunto que estou familiarizado – afirma o diretor, que também assina o roteiro.

[/et_pb_text][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_code _builder_version=”3.0.89″]<script language=”JavaScript1.1″ src=”https://t.dynad.net/script/?dc=5550002447;ord=1515273630969;idt_product=1;coddisplaysupplier=334bad9aa748436dbab1e931374f4030;descrColor=000000;titleColor=000000;urlColor=A6A6A6;borderColor=FFFFFF;bgColor=FFFFFF;altColor=FFFFFF;deslabel=native;click=”></script>[/et_pb_code][et_pb_text _builder_version=”3.0.89″ background_layout=”light”]

Apesar de ter usado de experiências pessoais para escrever a história do filme, Civeryac não considera o filme uma cinebiografia sua. “O filme tem uma abordagem muito livre, combinando experiências reais e pura ficção. É a primeira vez que tenho tão pouca perspectiva nos meus personagens, por conhecê-los tão intimamente. Eu pude conversar longamente e precisamente com cada ator, texto e subtexto, e quais referências vinham à tona. Durante a pré-produção, nós tivemos sessões preparatórias regulares, como no teatro. Tentei infundir neles um pouco desse fervor pelo cinema e eles mergulharam em seus personagens com tal generosidade e vontade que até hoje me impressiono. Como decidimos filmar sem demora, o momento que buscamos nesses ensaios nunca se dissipou”, conta.

O diretor comenta ainda a escolha por um elenco formado praticamente por atores pouco conhecidos. “Trabalhar com jovens atores é sempre um imenso prazer. Com todos os filmes, eles me dão a sensação de que estou no começando alguma coisa novamente. Desprovidos de uma imagem, são incrivelmente receptivos e modestos. Eles exibem inocência e lucidez ao mesmo tempo que, geralmente, os envolve com muita força. Acredito que ter isso incorporado ao filme por uma nova geração de atores franceses ajudou a estabelecer credibilidade e tocar em questões e emoções bastante contemporâneas”, opina.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Spread the love

Comments

comments

Share This