A PRIMEIRA MORTE DE JOANA, segundo longa-metragem da premiada cineasta gaúcha Cristiane Oliveira, foi rodado no Rio Grande do Sul. Com produção de Aletéia Selonk, o filme é a mais nova realização da Okna Produções. Os trabalhos acontecem em diversas locações na cidade de Osório e arredores, no Rio Grande do Sul.

A PRIMEIRA MORTE DE JOANA faz um mergulho, com tons fantásticos, no universo de uma menina de 12 anos. Joana vive os questionamentos típicos do início da adolescência. Enquanto ela experimenta essa fase de transições e descobertas, uma grande usina eólica é construída na pacata cidade em que vive, em meio às lagoas do sul do Brasil.

Uma equipe com 40 profissionais esteve sediada em Osório, cidade escolhida em razão das belas paisagens que possui, como lagoas, morros e o entorno do seu parque eólico. O longa foi filmado em cinco semanas entre novembro e dezembro em locais como a Rua Coberta, a escola Rural e lagoas da região.

O elenco principal é formado por novos talentos como as atrizes Letícia Kacperski e Isabela Jardim, que atuam pela primeira vez num filme, além de jovens como Joana Vieira, Pedro Nambuco, Graciela Caputti, Kaya Rodrigues e de atores mais experientes como Janaina Kramer, Roberto Oliveira, Lisa Becker, Rosa Campos Velho e Emílio Speck.

Na equipe técnica, formada majoritariamente por profissionais gaúchos, destaque para o diretor de fotografia Bruno Polidoro, a diretora de arte Adriana Borba e a diretora de produção Gina O’Donnell, que divide a produção executiva com Graziella Ferst. Eles se juntam aos profissionais de diferentes estados e mesmo de outros países (casos do técnico de som uruguaio Raúl Locatelli e da maquiadora argentina Nancy Marignac), trazendo uma excelente troca de experiência e diversidade de olhares ao projeto.

Em 2014, o projeto A PRIMEIRA MORTE DE JOANA foi contemplado no edital de desenvolvimento PRODAV 05/2013, do Fundo Setorial do Audiovisual. Com o investimento do FSA, o projeto ganhou consistência e parceiros que qualificaram a proposta idealizada. O roteiro foi elaborado em parceria com a corroteirista e atriz Silvia Lourenço, de O Homem das Multidões e Contra Todos, e contou com a consultoria de roteiro do cineasta português João Nicolau (diretor de John From e A Espada e a Rosa) e do argentino Gualberto Ferrari (consultor do recente sucesso espanhol Verão 1993). Como resultado desta fase de desenvolvimento, em maio de 2017, o projeto foi contemplado no edital do BNDES para produção de longas que priorizam o reconhecimento artístico e técnico no mercado internacional. Em julho deste ano, foi um dos projetos contemplados no FAMA – Fundo Avon de Mulheres no Audiovisual, prêmio que busca incentivar e valorizar a produção audiovisual feita por mulheres. O projeto tem ainda o selo do Co-production Market, evento com foco em mercado que ocorreu no Festival de Berlin 2018 e selecionou A PRIMEIRA MORTE DE JOANA dentre mais de 300 projetos do mundo todo. Na ocasião, a produtora Aletéia Selonk teve a chance de se reunir com potenciais parceiros internacionais e receber consultorias de profissionais especializados.

Cristiane Oliveira estreou em longa-metragem com Mulher do Pai (2016), também produzido pela Okna. Uma coprodução Brasil-Uruguai, o filme estreou internacionalmente no Festival de Berlim, em 2017, e arrebatou 19 prêmios em festivais no Brasil e no exterior – entre eles o de melhor direção no Festival do Rio, o prêmio da FIPRESCI no Festival Internacional do Uruguai e o de melhor roteiro no Cinema Jovem, na Espanha.

A Okna Produções tem 12 anos de atuação e está sediada em Porto Alegre. É uma das produtoras audiovisuais mais ativas da região Sul do Brasil e, entre suas produções mais recentes, além do Mulher do Pai, figuram o longa de animação para o público infantil As Aventuras do Avião Vermelho (dirigido por Frederico Pinto e José Maia) e o longa de ficção Ponto Zero (dirigido por José Pedro Goulart).

Comments